Notícias e informação para o povo de Deus, dicas, meditação, reflexão, palavra, devocional, música, conteúdo de qualidade!

Sérgio Moro diz que minorias não serão perseguidas em governo de Bolsonaro

Sergio Moro em entrevista pela TV GLOBO
No último domingo (11), o futuro ministro da Justiça, juiz Sérgio Moro, concedeu uma entrevista para a jornalista Poliana Abritta, do Fantástico, em Curitiba, na qual falou sobre diversos temas, como o combate à corrupção e ao crime organizado. Ele ainda dispensou a possibilidade de qualquer tipo de discriminação às minorias no governo de Jair Bolsonaro e também comentou a forma como tomou a decisão de aceitar o convite do presidente eleito para o Ministério.

Em uma entrevista de cerca de 20 minutos, Moro respondeu, entre outras questões, sobre a possibilidade do governo de Bolsonaro seguir uma possível agenda discriminatória contra minorias, como negros, indígenas e grupos LGBT. O juiz negou que o presidente eleito tenha dado sinais de intolerância.

"Eu acompanhei todo o processo eleitoral e eu nunca vi, da parte do senhor presidente eleito, uma proposta de cunho discriminatório em relação a essas minorias. Eu não imagino de qualquer forma que essas minorias estejam ameaçadas. O fato de a pessoa ser heterossexual, homossexual, branco, negro, asiático... Isso é absolutamente indiferente", explicou.

"Eu tenho grandes amigos que são homossexuais. Algumas das melhores pessoas que conheço são homossexuais. E não existe nenhuma perspectiva de nada que seja discriminatório a essas minorias. O governo tem que ter uma postura rigorosa quanto a crises em geral, mas também em relação a crimes de ódio. Eu não poderia ingressar em qualquer governo se houvesse alguma sombra de suspeita que haveria alguma política dessa espécie", acrescentou.

Combate ao crime organizado

O juiz explicou que ainda é difícil estabelecer uma meta com percentual específico, mas defendeu uma política mais rigorosa por parte do governo para que os resultados realmente sejam alcançados em um contexto, como o do Rio de Janeiro, que teve 62 mil homicídios, apenas em 2017.

"Eu não tenho condições de me comprometer com um percentual de redução específico. Porque, veja, isso não é matemática. O que é importante é iniciar um ciclo virtuoso", destacou.

"O Estado tem que ter uma política mais rigorosa em relação a essas organizações criminosas. Isso segue três padrões: investigações sólidas, direcionada à organização e seus líderes; prisão dos líderes, isolamento dos líderes; confisco do produto da atividade criminal e do patrimônio da organização. É assim que se desmantela organização criminosa. O criminoso vai pra cadeia, o policial vai pra casa. O confronto tem que ser evitado ao máximo", acrescentou.

A jornalista do Fantástico insistiu sobre as situações de confrontos entre polícia e criminosos e Moro explicou que estes confrontos jamais devem ser a base da estratégia, mas que policiais precisam estar preparados para isso.
"Essa é uma situação que tem que ser evitada", disse Moro. "Não é uma coisa simples. Não vou dizer assim: 'não vai acontecer isso depois de janeiro'. Pode acontecer. Mas são situações indesejadas. Não pode se construir uma política criminal, mesmo de enfrentamento do crime organizado, baseado em confronto e tiroteio. O risco de danos colaterais é muito grande. Não só danos colaterais, mas o risco pro policial".

O juiz também foi questionado sobre a proposta do governador eleito do Rio, Wilson Witzel, que prevê o abate de qualquer pessoa que esteja portando o fuzil. Moro apoiou a ideia de que o policial não deve esperar um disparo do bandido para somente então agir.

"Não me parece razoável que o policial tenha que esperar o criminoso atirar nele com uma metralhadora ou com um fuzil antes que ele possa tomar qualquer providência. Eu tenho minhas dúvidas se isso já não é acobertado pela legislação. Mas nós vamos estudar se é necessário uma reformulação da lei nesse sentido. Eu não tenho condições de agora efetuar uma crítica apropriada porque eu não sei exatamente o que ele tá defendendo", afirmou.

Maioridade penal

Quando questionado sobre a redução da maioridade penal, Moro reconheceu que ainda não há uma decisão definitiva sobre isso, mas afirmou que o criminoso, mesmo sendo menor de idade, deve ser penalizado, pois já tem noção de certo e errado.

"Bem, não existe uma posição fechada do governo em relação a isso, isso é uma questão a ser discutida. Existe uma necessidade de proteger o adolescente. É uma pessoa em formação. É inegável. Por isso se coloca a maioridade penal em 18 anos", lembrou.

"Mas também eu acho que é razoável essa afirmação de que mesmo um adolescente entre 16 e 18 anos, ele já tenha compreensão de que é errado matar. Isso não resolve criminalidade, mas tem que se considerar a justiça individual. Pense numa família que um dos membros foi vítima de um homicídio praticado por um adolescente acima de 16 anos. As pessoas querem uma resposta do Estado institucional. E o sistema atual, que prevê sanções muito reduzidas pra crimes dessa natureza, de gravidade, é insatisfatório", disse.

Fonte: GuiaME

Postar um comentário

[blogger][disqus][facebook][spotim]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget