Notícias e informação para o povo de Deus, dicas, meditação, reflexão, palavra, devocional, música, conteúdo de qualidade!

Psiquiatra condena transição de gênero em crianças: "Imprudente e irresponsável"

Psiquiatra condena transição de gênero em crianças: "Imprudente e irresponsável"

Um professor de psiquiatria de uma das instituições médicas mais renomadas do mundo está alertando sobre o perigo de permitir que crianças sejam submetidas ao processo de transição de gênero, comparando o 'tratamento transgênero' para menores à realização de "lobotomias frontais" (perigosa cirurgia cerebral usada antigamente para tratar esquizofrenia).

Paul McHugh, um ilustre professor de psiquiatria e ciências comportamentais da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, disse ao The College Fix que provavelmente haverá implicações negativas a longo prazo para as crianças autorizadas a se envolverem em tratamentos hormonais para disforia de gênero.

Ele chamou o tratamento transgênero para menores de "imprudente e irresponsável".

"[Os médicos] não têm evidências de que [o tratamento] será o correto", explicou McHugh. "Muitas pessoas estão fazendo o que equivale a um experimento com essas crianças e jovens, mas sem dizer que é um experimento".

Ele continuou: “Você precisa de evidências para isso, e este é um tratamento muito sério. É comparável a fazer lobotomias frontais”.

Muitas das crianças com sentimentos disfóricos, explicou o médico, provavelmente estão sofrendo de problemas de saúde mental. Obviamente, essa era a compreensão clinicamente aceita sobre tais sentimentos até muito recentemente.

Somente em maio deste ano a Organização Mundial da Saúde removeu o "distúrbio de identidade de gênero" de sua lista de diagnósticos. Como tal, a OMS não considera mais a disforia de gênero como um "transtorno mental".

De maneira semelhante, um estudo realizado em agosto encontrou 80% dos estudantes de “minoria de gênero” - aqueles que se consideram homossexuais, não conformes e transgêneros - relataram ter pelo menos um problema de saúde mental. Em comparação, apenas 45% de seus pares “cisgêneros” - homens e mulheres que se identificam seu gênero de acordo com seu sexo biológico - disseram o mesmo.

Portanto, McHugh não está totalmente convencido de que não exista um vínculo entre sentimentos de transgenerismo e bem-estar mental.

"Acho que os problemas mentais deles, geralmente depressão, desânimo, são coisas que precisam de tratamento", disse ele. "Eu não estou certo sobre isso. É uma hipótese, mas é uma hipótese muito plausível, e explicaria por que muitas pessoas que fazem tratamento para mudar o corpo descobrem que continuam deprimidas, desanimadas e vivem suas vidas tão problemáticas quanto antes, porque elas não abordaram o problema principal ".

Futuro preocupante

O professor da Johns Hopkins também está prevendo problemas futuros para menores que têm permissão para se submeter a tratamento de transição de gêneto, seja hormonal ou cirurgicamente.

Aqueles que começarem a transição quando crianças “estarão nas mãos dos médicos pelo resto da vida”, ele alertou, acrescentando: “Muitos deles serão esterilizados e não poderão ter seus próprios filhos, e muitos se arrependerão disso”.

"Você pode imaginar ter uma vida em que precisa procurar médicos o tempo todo, para tudo, apenas para viver?" McHugh continuou. “Controlar seus hormônios, controlar tudo. É disso que os médicos gostariam de poupar as pessoas”.

Além disso, McHugh fez referência a um estudo de 2018 supostamente censurado pela Brown University em Providence, Rhode Island, depois que a coordenadora da pesquisa, professora Lisa Littman, descobriu um "efeito de contágio" quando se trata de transgenerismo entre crianças.

"Nos fóruns on-line, os pais relatam que seus filhos estão experimentando o que é descrito aqui como 'disforia de gênero de início rápido', aparecendo pela primeira vez durante a puberdade ou mesmo após sua conclusão", escreveu Littman, professora assistente de ciências comportamentais em Brown. "O início da disforia de gênero parecia ocorrer no contexto de pertencer a um grupo de colegas em que um, vários ou até todos os amigos se identificaram como disfóricos e transgêneros durante o mesmo período".

McHugh disse que as confusões de gênero entre os jovens estão "sendo conduzidas principalmente por problemas psicológicos e psicossociais que essas pessoas têm", o que, acrescentou, "explica a rápida disforia de gênero que Lisa Littman explicou".

Fonte: Guia-Me

Postar um comentário

[blogger][disqus][facebook][spotim]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget