Notícias e informação para o povo de Deus, dicas, meditação, reflexão, palavra, devocional, música, conteúdo de qualidade!

Médico testemunha sobre extração forçada de órgãos na China: ‘Algo selvagem’

Médico testemunha sobre extração forçada de órgãos na China: 'Algo selvagem'

Por mais de uma década, a República Popular da China (RPC) foi acusada de "atos de crueldade e maldade" que correspondem aos de "torturadores e executores medievais".

As vítimas supostamente tiveram seus corpos abertos - alguns ainda vivos - para que seus rins, fígado, coração, pulmão, córnea e pele sejam removidos e transformados em mercadorias para venda.

Em 2019, pela primeira vez, um tribunal independente concluiu que a China é um “estado criminal” que, “além de qualquer dúvida”, cometeu crimes contra a humanidade, atos de tortura e que os inimigos do estado continuam sendo clinicamente testados e mortos por seus órgãos.

O Tribunal Independente para a Coleta Forçada de Prisioneiros de Consciência na China, conhecido como Tribunal da China, ouviu evidências de especialistas médicos, investigadores de direitos humanos e supostas vítimas durante um período de seis meses, informa o jornal inglês Telegraph.

De acordo com um relatório de quase 700 páginas publicado no ano passado, a China está realizando entre “60.000 a 100.000 transplantes de órgãos por ano”, com muitos órgãos removidos à força de prisioneiros religiosos.

O médico chinês Enver Tohti testemunhou publicamente sobre a prática. Ele fazia parte de uma equipe de extração de órgãos que pensava estar cumprindo seu dever de "eliminar o inimigo do estado".

"Vi que havia sangue saindo do corte, o que significa que o coração ainda está bombeando", acrescentou. Ele recebeu ordem de remover o fígado e os dois rins, costurar o corpo novamente e "lembrar que hoje nada aconteceu".

Dr. Tothi, que agora trabalha como motorista da Uber no Reino Unido, sofreu flashbacks e pesadelos após o incidente e agora dedica sua vida a fazer campanhas para conscientizar sobre a prática.

Evidências

O número de transplantes na China pode ser mais que o triplo, em comparação com os EUA, onde 36.528 pacientes receberam transplantes de órgãos em 2018.

As evidências no relatório foram coletadas por especialistas em extração de órgãos, incluindo David Matas e Ethan Gutmann, ambos indicados ao Prêmio Nobel da Paz por seu trabalho de investigação na China, segundo o Epoch Times.

Como não existe um sistema de doação voluntária de órgãos na China, a principal fonte de vítimas vivas para os transplantes é de praticantes do Falun Gong - um movimento religioso minoritário. O Partido Comunista Chinês (PCC) lançou uma perseguição cruel contra seus seguidores em 1999, que não desistiu.

“A extração de órgãos como forma de eliminar a população do Falun Gong parece ter começado no ano seguinte (2000)”, segundo o The Times.

Centenas de milhares de Falun Gong estão em uma enorme rede de campos de trabalho em toda a China e são suscetíveis de serem colocados em listas para extração de órgãos. Também se suspeita que até um milhão de uigures mantidos em campos de trabalho chineses também tenham sido alvos de transplantes de órgãos.

Na maioria dos países, quando um paciente é colocado em uma lista de transplantes de órgãos, o tempo de espera pode ser de meses ou anos, dependendo do órgão. Porém, para pacientes que viajam para a China, um órgão pode ser obtido em dias ou semanas, o que aumenta a suspeita de especialistas.

Turismo de órgãos

Como resultado dos curtos tempos de espera, a China é uma meca para o turismo de órgãos. Os sites chineses de transplante citam um "suprimento ilimitado" e a capacidade de "anteceder o transplante de coração".

O Dr. Enver Tohti, 57, estava entre os que deram provas ao Tribunal. Ele estava trabalhando como cirurgião em Urumqi, no noroeste da China, em 1995, quando seus chefes lhe perguntaram: "Você quer fazer algo selvagem?".

Como jovem médico, ele disse que sim e, no dia seguinte, foi levado para o Western Mountain Execution Grounds, onde viu cerca de 15 corpos no lado da montanha. Todos eles foram baleados na cabeça.

No entanto, ele foi ordenado a "ir fundo e trabalhar rápido" em uma vítima que ele alegou não ter sido anestesiada e que havia sido baleada no peito.

"Comecei a cortar no meio e então ele começou a lutar e soube então que ele ainda estava vivo", disse o pai de três filhos ao The Telegraph, "mas ele era fraco demais para resistir a mim".

Tohti acredita que os uigures são agora uma fonte de órgãos. Ele observou relatos recentes de exames de saúde gratuitos na região de Xinjiang para "melhorar a qualidade de vida dos uigures".

"Suspeitamos que o PCC [Partido Comunista Chinês] esteja construindo um banco de dados nacional para o comércio de órgãos", disse ele.

Trabalho diuturno

Alguns cirurgiões de transplante se queixam de trabalhar em turnos de 24 horas, realizando cirurgias de transplante consecutivas. Centenas de hospitais com capacidade de transplante operam na China desde 2000, de acordo com o The Times.

"A conclusão final desta atualização, e de fato nosso trabalho anterior, é que a China se envolveu no assassinato em massa de inocentes", disse David Matas ao National Press Club.

O relatório analisa 700 centros de transplante de órgãos conhecidos na China.

Os órgãos para transplante precisam ser recuperados antes ou logo após a morte e depois rapidamente implantados em um novo corpo.

No período de uma semana, o hospital de Changzheng realizou 16 transplantes de fígado e 15 de rim. Isso seria difícil, se não impossível, em um hospital dos EUA. Ele sugere que uma população de doadores em cativeiro esteja pronta na China para que seus órgãos sejam colhidos.

"É difícil pensar em outra explicação plausível, além de matar sob demanda", disse um médico ao The Times.

No relatório, um ex-policial chinês disse que testemunhou uma operação de colheita ao vivo realizada sem anestesia.

Nos últimos anos, alguns pensaram que a escala de extração de órgãos havia recuado, ou pelo menos que os adeptos do Falun Gong e outros prisioneiros de consciência não eram mais alvos.

Os autores discordam. "Eles construíram uma grande força", disse Gutmann. "Estamos olhando para um volante gigantesco, que eles parecem não conseguir parar. Não acredito que seja apenas lucro, acredito que é ideologia, assassinato em massa e encobrimento de um crime terrível, onde a única maneira de encobrir esse crime é continuar matando pessoas que o conhecem.”

Fonte: Guia-Me

Postar um comentário

[blogger][disqus][facebook][spotim]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget