Notícias e informação para o povo de Deus, dicas, meditação, reflexão, palavra, devocional, música, conteúdo de qualidade!

Igreja Universal sob risco de expulsão de país africano após denúncias de escravização

Igreja Universal sob risco de expulsão de país africano após denúncias de escravização

A Igreja Universal do Reino de Deus vem enfrentando uma crise sem precedentes em São Tomé e Príncipe, na África. Desde que um adolescente morreu num dos protestos populares contra a denominação, a situação só se deteriorou, e políticos agora debatem a expulsão da instituição do país.

Todo o problema foi iniciado quando o pastor são-tomense Iudumilo da Costa Veloso foi preso na Costa do Marfim após usar um perfil falso nas redes sociais para denunciar práticas da denominação que entendia serem erradas. A Universal moveu um processo para que as autoridades encontrassem o proprietário do perfil falso, acusando-o de promover fake news, e o autor – pastor da própria igreja – foi descoberto e preso.

Veloso virou pastor da Universal em seu país natal, mas foi transferido há 14 anos para a Universal da Costa do Marfim. Em seus textos publicados no perfil falso, ele acusava a denominação de privilegiar pastores brasileiros e discriminar os sacerdotes africanos.

Além disso, apontava uma denúncia recorrente contra a Universal: a imposição da realização de vasectomia, para que os pastores não tivessem filhos e pudessem se dedicar integralmente à denominação fundada pelo bispo Edir Macedo.

Em algumas de suas publicações com a conta falsa, Veloso afirmava que os pastores e bispos brasileiros da Universal se apropriavam de dízimos, além de terem o hábito de “humilhar, insultar, esmagar e escravizar os [pastores] africanos”.

Expulsão
“Éramos muito pacientes, humildes demais, educados demais. Agora é hora de agir sem piedade!”, diz um dos textos de Veloso.

Diante disso, o Parlamento de São Tomé e Príncipe está discutindo a expulsão da Universal do país, segundo informações da BBC.

A parlamentar Alda Ramos, uma das principais líderes da oposição, disse que a Universal deveria repatriar o pastor preso em Costa do Marfim ou lidar com as consequências da revolta popular: “Acionaremos outros mecanismos para não existir mais esta igreja cá em São Tomé e Príncipe”, disse ela.

Estima-se que 2% da população são-tomense frequente a Universal. O país, ex-colônia portuguesa, tem no catolicismo a principal religião, com 55,7% da população adepta à denominação romana.

O embaixador brasileiro em São Tomé e Príncipe, Vilmar Júnior, estava em férias e retornou ao país para tentar apaziguar os ânimos e assim evitar a expulsão da Universal do país. A ameaça também mobilizou a cúpula da igreja no Brasil, que enviou o deputado federal Márcio Marinho (Republicanos-BA), bispo licenciado, ao país para se reunir com autoridades locais.

Marinho disse a jornalistas logo após visitar a Assembleia Nacional, em outubro, que a igreja tinha o interesse “em resolver o mais rápido possível a questão”, e que uma comissão formada por políticos são-tomenses e dirigentes da Universal viajaria à Costa do Marfim para visitar o pastor Veloso e oferecer-lhe suporte.

Imbróglio
A mobilização internacional pela soltura do pastor Veloso resultou em sua libertação, mas ele continua impedido de deixar a Costa do Marfim, segundo sua advogada, Celiza de Deus Lima.

Ela afirmou que o pastor pediu proteção à embaixada de Angola na capital marfinense, Abidjã, por se sentir sob risco e porque não há representação diplomática de seu país na Costa do Marfim. Após conseguir abrigo junto à representação angolana, aguarda a obtenção de autorização para deixar o país.

Na Justiça, Veloso admitiu ser o autor das publicações com perfil falso “porque lhe disseram que, se confessasse, a igreja retiraria a queixa”. Durante o processo, a Universal não respeitou o suposto acordo, manteve a acusação contra o pastor e ele terminou condenado.

Segundo Celiza, o ex-presidente são-tomense Miguel Trovoada teria telefonado ao presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, para tratar do tema e pedir a soltura de Veloso, que se queixa de ter sido condenado num “processo sumário”.

Em sua defesa, a Universal enviou nota à BBC alegando que não denunciou o pastor Iudumilo Veloso, “até porque não sabia quem era o autor” das mensagens críticas à igreja. “Mas foram, sim, praticados os crimes que a Universal denunciou às autoridades da Costa do Marfim, com graves ameaças e ataques sob o anonimato de perfis falsos no Facebook e em contas criadas em aplicativos de mensagens, como o Telegram, conforme comprovou a Justiça do país africano”, afirma a igreja.

Sobre a acusação de que obrigaria seus pastores a fazerem vasectomia, a nota argumenta que essa alegação é “facilmente desmentida pelo fato de que muitos bispos e pastores da Universal, em todos os níveis de hierarquia da igreja, têm filhos”, e acrescenta: “O que a Universal estimula é o planejamento familiar, debatido de forma responsável por cada casal”.

Fonte: Gospel+

Postar um comentário

[blogger][disqus][facebook][spotim]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget