Notícias e informação para o povo de Deus, dicas, meditação, reflexão, palavra, devocional, música, conteúdo de qualidade!

Médica que declarou que "Deus realiza mais abortos” do que ela perde licença nos EUA

Médica que declarou que "Deus realiza mais abortos" do que ela perde licença nos EUA

Leah Torres, abortista recentemente nomeada diretora médica do West Alabama Women's Center (WAWC) em Tuscaloosa, teve sua licença médica "imediatamente suspensa" pelo Conselho de Examinadores Médicos do Alabama (BME).

O conselho alega informações fraudulentas fornecidas por Torres e também conduta pouco profissional de sua parte.

“[O] Conselho atualmente tem provas em sua posse de que a continuação na prática de LEAH N. TORRES, M.D. pode constituir um perigo imediato para seus pacientes e / ou o público”, descreve a ordem do BME de 26 de agosto.

Torres é conhecida por postagens chocantes nas redes sociais que discutem levianamente o aborto.

A médica já declarou que “Deus realiza muito mais abortos do que eu" e que “os bebês não gritam porque eu corto o cordão primeiro”.

O WAWC já havia sido notícia duas vezes este ano, relata Christian Newswire, inicialmente pela venda inesperada da instalação de aborto para Amanda Reyes, presidente do Fundo de Yellowhammer pró-aborto, e depois pela morte de uma mulher que deixou a instalação em 7 de maio e morreu pouco depois, na mesma semana em que Reyes assumiu como proprietária.

Organizações pró-vida dos EUA pediram uma investigação sobre a morte da mulher, questionando o licenciamento da nova proprietária da instalação e alertando sobre a contratação de Torres.

Denúncias

Uma queixa apresentada pela CEC (Igreja Episcopal Carismática) For Life, Life Legal Defense Foundation, Operation Rescue, Pro-Life Tuscaloosa e Alabama Physicians for Life foi dirigida ao BME em relação a Torres.

A Operação Resgate informou em 3 de setembro que a morte da mulher está sob investigação.

Torres foi demitida de um cargo anterior em Utah após polêmica sobre uma postagem na mídia social, de acordo com o Christian Newswire.

No tweet, ela disse: "Você sabe que os fetos não gritam, certo?" e quando "realmente não há oportunidade" para eles quando ela está realizando um aborto porque ela "corta o cordão primeiro ...". Não está claro se ela estava se referindo às cordas vocais da criança ou ao cordão umbilical.

Ela apagou o tuíte e disse que estava falando do cordão umbilical.

Torres era abortista no Metro Health Center da Planned Parenthood em Salt Lake City, Utah, antes de assumir o cargo no Alabama, relata o Live Action.

O relatório do outlet pró-vida também incluiu uma captura de tela do tuíte de Torres, que foi excluído.

O BME do Alabama informou a Torres em uma carta que negava seu pedido de licença médica que ela havia "cometido uma conduta não profissional", conforme definido nas regras da Comissão de Licenciatura Médica do estado.

“Especificamente”, dizia, “você fez declarações públicas relacionadas à prática da medicina que violam os altos padrões de honestidade, diligência, prudência e integridade ética exigidos dos médicos licenciados para exercer a profissão no Alabama ...”

Fraude

A carta afirma que Torres “cometeu fraude ao se candidatar a um certificado de qualificação para exercer a medicina no Alabama”.

As referências de fraude que se seguiram na carta da BME diziam respeito às respostas de Torres a perguntas sobre a revogação ou suspensão dos privilégios de sua equipe em um hospital ou estabelecimento de saúde, qualquer ação de imperícia contra ela, o uso de um transtorno mental ou emocional ou condição como uma defesa para suas ações em um caso de tribunal federal de Utah, e sua alegação de que trabalhou como médica temporária durante um período em que não conseguia encontrar emprego.

Torres foi ordenado pelo BME para “imediatamente CESSAR e DESISTIR da prática da medicina no estado do Alabama”.

Em dezembro de 2018, Torres tuitou:

“Todo mundo parece afirmar que sabe o que Deus pensa, então faça isso. Deus faz muito mais abortos do que eu, então é isso.”

Torres também afirmou que acredita que simplesmente não querer estar grávida é uma “razão médica” legítima para o aborto, disse o relatório da Live Action.

Ela disse recentemente que quem se opõe ao aborto não deve se tornar um obstetra / ginecologista:

“Eu não me importo se você tem religião. Eu não me importo se você tem problemas morais. Se você não pode cuidar do aborto, não vá para a ginecologia obstétrica – não vá”.

No final do ano passado, Torres explicou em uma entrevista como ela treina mulheres cujos parceiros ou famílias não querem que elas façam um aborto para fingir um aborto com drogas de aborto. Ela culpou a sociedade pela necessidade de praticar a desonestidade e disse que os abortistas protegem as “pessoas grávidas” e o que elas desejam.

Torres continua proibida de praticar medicina no Alabama até que a queixa da BME seja ouvida pela Comissão de Licenciamento Médico, em audiência marcada para 21 de dezembro de 2020, quando a Comissão determinará se sua licença deve permanecer suspensa. Ela tem até 21 de setembro para entrar com um recurso.

Fonte: Guiame

Postar um comentário

[blogger][disqus][facebook][spotim]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget