Notícias e informação para o povo de Deus, dicas, meditação, reflexão, palavra, devocional, música, conteúdo de qualidade!

História dos Apóstolos: Mateus, o coletor de impostos que se tornou evangelista

O apóstolo Mateus, também conhecido como Levi, foi um dos doze discípulos de Jesus Cristo. Ele é tradicionalmente considerado o autor do Eva...

História dos Apóstolos: Mateus, o coletor de impostos que se tornou evangelista

O apóstolo Mateus, também conhecido como Levi, foi um dos doze discípulos de Jesus Cristo. Ele é tradicionalmente considerado o autor do Evangelho de Mateus.

Quando Jesus chamou Mateus para segui-lo, ele era um cobrador de impostos (ou “publicano”) – uma das profissões mais ultrajadas do antigo judaísmo.

Pouco se sabe sobre este apóstolo. Além de um punhado de menções nos evangelhos. E apesar do fato de que a igreja há muito o considera o autor do Evangelho que leva o seu nome, pouco foi registrado sobre ele.

Enquanto Mateus é honrado como mártir, ninguém sabe ao certo onde ou como ele morreu. Vários relatos dizem que ele foi decapitado, apedrejado, queimado ou esfaqueado – um até sugere que ele morreu de causas naturais como João.

Existem lendas sobre seu ministério, mas não há registros substanciais de seu papel na igreja primitiva. Textos apócrifos posteriores surgiram alegando ter sido escritos por ele, e alguns pais da igreja primitiva apoiaram esses textos, mas as obras sobrevivem apenas em fragmentos e citações, e a erudição moderna está dividida em sua autoria.

Então, o que realmente sabemos sobre ele? Vamos ver o que a Bíblia diz sobre Mateus, o que sabemos sobre o Evangelho que leva seu nome e algumas outras informações sobre esse enigmático apóstolo.

Quem foi Mateus na Bíblia?

Praticamente tudo o que realmente sabemos sobre Mateus vem diretamente dos evangelhos. Ele é mencionado em todos os três Evangelhos Sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas), e listado entre os discípulos em Atos. Incluindo passagens paralelas, há apenas sete menções a ele em toda a Bíblia. Apenas um (e seus paralelos) nos dá detalhes substanciais sobre ele.

Também conhecido como Levi

Mateus, Marcos e Lucas têm relatos paralelos de Jesus chamando um cobrador de impostos para se tornar um discípulo. Curiosamente, Mateus chama essa pessoa de Mateus, e Marcos e Lucas o chamam de Levi:

“E Jesus, passando adiante dali, viu assentado na alfândega um homem, chamado Mateus, e disse-lhe: Segue-me. E ele, levantando-se, o seguiu. — Mateus 9:9

“E, passando, viu Levi, filho de Alfeu, sentado na alfândega, e disse-lhe: Segue-me. E, levantando-se, o seguiu.” — Marcos 2:14

“E, depois disto, saiu, e viu um publicano, chamado Levi, assentado na recebedoria, e disse-lhe: Segue-me. E ele, deixando tudo, levantou-se e o seguiu.” — Lucas 5:27–28

Essas informações são tão paralelas que é difícil imaginar que não estejam falando da mesma pessoa.

Existem várias explicações possíveis para essa diferença. Alguns argumentam que Levi era o nome tribal dessa pessoa – significando que ele pertencia à tribo de Levi – e que Mateus era um nome mais pessoal. Outros sugerem que essa pessoa foi originalmente chamada Levi, mas que Jesus o chamou de Mateus (semelhante a Simão, a quem Jesus chamou de Pedro). E também é possível que seja simplesmente uma questão de ele ter um nome grego (Mateus) e um nome hebraico (Levi), como o apóstolo Paulo também era conhecido por Saulo.

Como ele era um judeu que trabalhava para os romanos, não seria surpreendente saber que era conhecido por ambos os nomes.

Um cobrador de impostos (ou publicano)

Como acabamos de ler nas passagens acima (Mateus 9:9, Marcos 2:14, Lucas 5:27-28), Mateus era um cobrador de impostos, ou um publicano—alguém contratado pelo governo romano para cobrar impostos. Como judeu, entrar nessa profissão era essencialmente um ato de traição ao seu povo.

Os cobradores de impostos tinham muito pouca responsabilidade. Eles seriam instruídos a coletar uma quantia específica de dinheiro, mas podiam dizer às pessoas que deviam uma quantia diferente e não tinham poder para contestá-la. Os cobradores de impostos ganharam a reputação de dizer às pessoas que deviam mais do que deviam e embolsar a diferença. Para os judeus, os cobradores de impostos eram a personificação do pecado.

Quando os cobradores de impostos vieram para ser batizados por João Batista, eles perguntaram: “Mestre, que faremos?” e ele lhes disse: “Não colete mais do que você está autorizado a fazer” (Lucas 3:12-13).

Curiosamente, Marcos e Lucas não rotulam explicitamente o discípulo Mateus como cobrador de impostos – temos que inferir que Levi, o cobrador de impostos (Marcos 3:18 e Lucas 6:15) é o discípulo chamado Mateus. No entanto, o Evangelho de Mateus deixa pouco espaço para confusão: ele é chamado de “o cobrador de impostos” na lista de discípulos:

“Ora, os nomes dos doze apóstolos são estes: O primeiro, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão; Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão; Filipe e Bartolomeu; Tomé e Mateus, o publicano; Tiago, filho de Alfeu, e Lebeu, apelidado Tadeu; Simão, o Cananita, e Judas Iscariotes, aquele que o traiu.” — Mateus 10:2–4

Jesus na casa de Mateus

No antigo judaísmo, o rótulo de pecador era reservado para os piores dos piores – como cobradores de impostos.

Os cobradores de impostos eram pecadores por profissão, mentindo e trapaceando para obter riquezas e roubando até mesmo dos mais pobres de seu povo. Eles eram religiosos de fora, porque a forma como praticavam sua profissão desafiava abertamente a Lei de Moisés. Quanto mais ricos eles eram, pior se supunha que fossem.

Depois que Jesus o chama, Mateus organiza uma reunião em sua casa e, enquanto ele e seus companheiros desagradáveis ​​jantam com Jesus, os fariseus perguntam por que Jesus come com cobradores de impostos e pecadores (Mateus 9:11).

“Jesus, porém, ouvindo, disse-lhes: Não necessitam de médico os sãos, mas, sim, os doentes. Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento.” — Mateus 9:12

Ao chamar Mateus, Jesus estava proclamando que ninguém seria excluído de seu grupo e convívio – nem mesmo aqueles que a sociedade considerava irredimíveis.

Testemunha ocular do ministério de Jesus

Como um dos doze apóstolos, Mateus esteve presente durante quase todo o ministério de Jesus. As únicas pessoas que viram mais de quem Jesus era e do que ele era capaz de realizar foram Pedro, Tiago e João .

Alguns argumentam que o papel de Mateus como testemunha ocular é evidência de que ele não escreveu o Evangelho de Mateus. O Evangelho de Mateus parece depender muito do de Marcos (e é por isso que existem tantas passagens paralelas), mas acredita-se que o Evangelho de Marcos tenha sido escrito por um homem chamado João Marcos, que não foi testemunha ocular. Então, por que uma testemunha ocular usaria um relato escrito por alguém que não estava lá? Existem alguns contra-argumentos, mas o principal é que a igreja primitiva afirmou que João Marcos escreveu o relato de Pedro sobre o ministério de Jesus, e Pedro viu mais de Jesus do que Mateus e foi um pilar da igreja primitiva.

Além disso, Mateus dá a Pedro muita atenção positiva em seu evangelho. É possível que por respeito, amizade ou deferência, Mateus tenha usado o relato de Pedro para manter a consistência.

Um evangelista

Mateus é considerado um dos “Quatro Evangelistas”. Este é um título reservado para Mateus, Marcos, Lucas e João — os autores tradicionais dos quatro evangelhos. Vem da palavra grega evangelion, que significa “boas novas”. Esses quatro escritores proclamaram as boas novas de Jesus Cristo com seus escritos.

Um escriba?

Como cobrador de impostos, o trabalho de Mateus envolveria registrar e documentar meticulosamente as informações fiscais. Alguns argumentam que Jesus se referiu a ele em Mateus 13:52, porque seu trabalho tecnicamente o faria se encaixar na descrição de “escriba”.

No entanto, algumas traduções vertem “escriba” em Mateus 13:52 como “mestres da lei”, e no contexto, Jesus certamente parece estar falando sobre aqueles com formação religiosa – ele fala de anjos separando os ímpios dos justos (Mateus 13:49) – e parece mais provável que trazer “novos tesouros, bem como posse” se refira ao seu conhecimento da Lei e dos profetas à luz do Evangelho.

Nesse sentido, Mateus poderia tecnicamente ser chamado de escriba - mas provavelmente não como é frequentemente usado na Bíblia.

Quando e onde Mateus viveu?

Para ser discípulo de Jesus Cristo, Mateus obviamente teria que viver ao mesmo tempo. A maioria dos estudiosos acredita que Jesus viveu por volta de 4 a.C. a cerca de 30 ou 33 d.C. Como não sabemos quantos anos ele tinha na época em que conheceu Jesus, não podemos ter certeza de que ele nasceu no primeiro século, mas certamente viveu naquela época. A data de sua morte é desconhecida.

Jesus encontrou Mateus em uma alfândega de impostos em Cafarnaum — uma cidade às margens do Mar da Galileia.

Como Mateus morreu?

Tal como acontece com a maioria dos apóstolos, é difícil dizer exatamente como Mateus morreu. Existem vários relatos conflitantes sobre sua morte. Os primeiros registros dizem que ele realizou seu ministério na “Etiópia” (não o que consideramos a Etiópia, mas uma região ao sul do Mar Cáspio), Pérsia, Macedônia e/ou Síria.

Clemente de Alexandria cita Heracleon, um dos primeiros comentaristas do Novo Testamento, dizendo que Mateus morreu naturalmente:

“Mas nem esta declaração será encontrada para ser dita universalmente; pois todos os salvos confessaram com a confissão feita pela voz e partiram. Entre eles estão Mateus, Filipe, Tomé, Levi e muitos outros.” — Estroma

A maioria dos estudiosos não aceita esse relato hoje. Todos os outros registros da morte de Mateus afirmam que ele foi martirizado, mas eles discordam sobre como ou onde isso aconteceu. Os primeiros pais da igreja afirmam que ele foi queimado, apedrejado, esfaqueado ou decapitado por sua fé. No famoso Livro dos Mártires de John Foxe (publicado pela primeira vez em 1563), a entrada de Mateus afirma:

“O cenário de seus trabalhos foi a Pártia e a Etiópia, onde ele sofreu o martírio, sendo morto com uma alabarda na cidade de Nadabá, em 60 d.C.”

Quando se trata do apóstolo Mateus, não há muito o que falar. Mas o que temos — os Evangelhos — nos mostra que Mateus foi um dos exemplos mais poderosos dado por Jesus do perdão que Deus oferece a todos. Este cobrador de impostos foi insultado por quem ele era, mas Jesus o amava por quem ele era. E apesar de sua posição como um marginal religioso, Jesus deu a ele uma posição de destaque dentro do que se tornaria o cristianismo.

Fonte: Guiame


COMMENTS

Nome

'Momo',1,"Eu quero ir",1,“Aguardo o Dia”,1,“Casa na Rocha”,1,“Em Casa”,1,“Mais Alto”,1,“Quem é esse?”,1,“Quero Te Adorar”,1,“We magnify his name”,1,10 Mandamentos,1,19ª edição do Grammy Latino,3,2018,2,2019,5,22 anos,1,3 Palavrinhas,1,360 Wayup,1,6 milhões,1,60 Minutes,1,a,1,A Bíblia Kingstone,1,Abaixo-assinado,1,abandona,1,Abílio Santana,1,Abin,2,abortistas,1,aborto,27,abortos,1,abrigo para dependentes químicos,1,Absolvida,1,abusador,1,abusar dos membros,1,abuso infantil,3,abuso sexual,20,abusos sexuais,3,Academia,1,Acadêmicos do Sossego,1,acampamento evangélico,1,ação judicial,1,Ação popular,1,Ação social,2,aceitaram a Jesus,1,Acertou Mizerávi,1,Achado Arqueológico,1,ACI Digital,1,acidente,2,acidente de trânsito,1,Acioli,1,acordo de paz,1,Acre,2,acusação,1,ad belenzinho,1,ADAI Music,1,Adão e Eva,1,Adaulto Lourenço,1,Adauto Lourenço,1,Adilson Gigante,1,ADO 26,1,adolescente,1,adolescentes,1,Adolf Hitler,1,Adolf Hittler,1,adventistas do Sétimo Dia,1,advogados,1,Afeganistão,2,Africa,2,África,6,Africa do Sul,1,Agenda Lgbt,1,Airbnb,1,Al-haram Al-sharif,1,Al-qaeda,1,Al-Rashid,1,Aladdin,1,Alagoas,2,Alan Rick,1,Albert Einstein,1,Alcoolismo,1,aldeia Kamayurá,1,Alemanha,3,Alerta aos pais,1,Alex Passos,1,Alexandra Abrantes,1,alexandre frota,1,Alexandre Isquierdo,1,Aline Barros,4,Alison Red