Notícias e informação para o povo de Deus, dicas, meditação, reflexão, palavra, devocional, música, conteúdo de qualidade!

Jordânia diz à ONU que Israel quer “guerra religiosa” pelo Monte do Templo

A Jordânia disse em uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas que Israel quer desencadear uma guerra religiosa sobre o Monte do...

Jordânia diz à ONU que Israel quer “guerra religiosa” pelo Monte do Templo

A Jordânia disse em uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas que Israel quer desencadear uma guerra religiosa sobre o Monte do Templo.

O enviado da Jordânia, Mahmoud Daifallah Hmoud, alertou os países integrantes do CSONU a agir contra o "crime de guerra" do Estado judeu.

“Israel continua a despertar a ira de milhares de muçulmanos devido aos seus ataques à área de al-Haram, al-Sharif, que é uma área de oração para os muçulmanos”, declarou.

“Isso leva a um conflito religioso que terá sérias repercussões como um todo”, disse Hmoud.

A Jordânia não é membro do CSONU, mas foi autorizada a falar durante o debate de um dia aberto a todos os estados membros.

Embate

Segundo o Jerusalem Post, Hmoud fez referência a um incidente ocorrido na terça-feira, quando a polícia israelense pediu ao embaixador da Jordânia, Ghassan Majali, que esperasse antes de entrar na mesquita de al-Aqsa para que ele pudesse falar com seu superior sobre a visita. Majali saiu, em vez de esperar, mas voltou mais tarde para rezar na mesquita.

O embaixador de Israel, Eitan Surkis, foi convocado pelo Ministério das Relações Exteriores da Jordânia para condenar as ações policiais e enfatizar sua crença de que o local deveria estar sob a administração do solo do Wakf Islâmico, que é afiliado ao Ministério de Assuntos Religiosos.

Ele se recusou persistentemente a aceitar que Israel tenha segurança sobre a área, que é a mais sagrada para os judeus e a terceira mais sagrada para os muçulmanos.

‘Crime de guerra’

O local foi controlado pela Jordânia de 1948 a 1967, mas o país mantém uma relação especial de custódia com o local.

Um acordo de status quo permite que visitantes de todas as religiões acessem a área, mas limita a oração ali aos fiéis muçulmanos.

Ao falar com o CSONU, Hmoud acusou Israel de impedir Majali e todos os muçulmanos de entrar no complexo do local, ao qual ele se referiu pelo nome muçulmano de al-Haram, al-Sharif.

O enviado ao Conselho também se referiu à visita do ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, ao complexo da mesquita de al-Aqsa no início deste mês como um “ataque” à área.

Ele disse que Israel continua expulsando palestinos de suas casas, inclusive em Jerusalém, o que é uma tentativa de mudar a identidade da cidade e é um “crime de guerra”.

Hmoud convocou o CSONU a agir, explicando que a Jordânia “não poupará esforços para defender Jerusalém e os locais sagrados e defender nossa causa central, a causa palestina.

“Continuaremos a trabalhar para preservar a identidade árabe, a identidade muçulmana e a identidade cristã dos locais sagrados na área ocupada de Jerusalém e proteger os direitos legais e históricos [lá] e essa será a prioridade de sua majestade o rei”, disse Hmoud.

‘Ocupação’

O embaixador da Autoridade Palestina, Riyad Mansour, instou o CSONU a atualizar o status palestino nas Nações Unidas de um estado não membro para um estado membro.

Ele condenou as sanções que Israel lançou contra a AP por influenciar com sucesso a Assembleia Geral da ONU a buscar uma opinião consultiva contra ela da Corte Internacional de Justiça sobre a ilegalidade da “ocupação” de Israel.

Mansour também questionou as condecorações e ações do novo governo israelense, incluindo a decisão de Ben-Gvir de proibir bandeiras palestinas em espaços públicos, informou o Jerusalem Post.

“Este governo está dizendo abertamente o que pretende fazer e agindo sobre isso. Seu programa é promover assentamentos e anexações, discriminação sistêmica e opressão. Não reconhece nossos direitos em nenhum lugar e proclama um direito para seus colonos em todos os lugares”, disse Mansour.

“Israel muitas vezes negou não apenas nossos direitos, mas nossa própria existência como nação. A proibição de Israel da bandeira palestina no espaço público é a mais recente manifestação dessa negação”, disse Mansour.

“A bandeira palestina flutua aqui em frente às Nações Unidas. É criada por milhões de pessoas em todos os cantos do globo. E continuará a voar no céu da Palestina, não importa quais sejam as leis e regras decretadas por Israel”.

“Israel ainda acredita que há um caminho para a paz esmagando os palestinos. Se houvesse um para ser encontrado, já o teria encontrado. A paz não virá da negação de nossa existência. Virá do reconhecimento de nossa situação e de nossos direitos”, disse Mansour.

Destruição do Estado judeu

Para o embaixador de Israel nas Nações Unidas, Gilad Erdan, a AP está recrutando com sucesso o órgão global para ajudá-la em sua busca pela destruição do estado judeu, em parte por meio de suas resoluções contra ele.

“Em um ano em que uma guerra se alastra na Europa, o Irã desmascarando e executando manifestantes e prestes a se tornar uma potência nuclear, a Coreia do Norte testou um número recorde de milhas e regimes desonestos e grupos terroristas continuam a causar estragos, [o UNGA] achou por bem adotar 15 resoluções condenatórias destacando Israel”, disse Erdan.

“Você sabe quantas resoluções condenatórias foram adotadas contra o resto do mundo juntas?”, perguntou.

“Treze”, disse ele, respondendo à sua própria pergunta, acrescentando que “mais resoluções visavam Israel do que todo o resto do mundo combinado!”

“Destruir o estado judeu sempre foi o único objetivo dos palestinos e eles pretendem fazê-lo por todos os meios”, disse Erdan.

O encaminhamento do ICJ é mais um passo para ajudar a AP a atingir esse objetivo, acusou ele, explicando que foi escrito de forma que a culpa de Israel já foi proscrita, e a única coisa que faltava determinar era sua punição.

Sem diálogo

Com a adoção da resolução da CIJ, os “palestinos esfaquearam no calor de qualquer chance de diálogo ou reconciliação. Eles provaram que não estão interessados ​​no diálogo”, disse Erdan.

Ele defendeu as medidas tomadas, incluindo a renovação da política pela qual Israel retém dos impostos que arrecadou em nome da AP, uma quantia igual à que a AP gasta em subsídios mensais a terroristas e suas famílias.

Quando a resolução foi votada, Erdan disse: “Eu disse que medidas unilaterais seriam respondidas por medidas unilaterais e que Israel deveria se defender contra essas ameaças”.

A Autoridade Palestina, disse ele, continua “a pedir” o assassinato de israelenses, continua a glorificar os terroristas e continua a pagar dinheiro aos assassinos. E então, depois de todo o ódio e derramamento de sangue, eles aparecem aqui no Conselho de Segurança e fazem um show de vítimas.”

Fonte: Guiame com informações de Jerusalem Post

COMMENTS

Nome

'Momo',1,"Eu quero ir",1,“Aguardo o Dia”,1,“Casa na Rocha”,1,“Em Casa”,1,“Mais Alto”,1,“Quem é esse?”,1,“Quero Te Adorar”,1,“We magnify his name”,1,10 Mandamentos,1,19ª edição do Grammy Latino,3,2018,2,2019,5,22 anos,1,3 Palavrinhas,1,360 Wayup,1,6 milhões,1,60 Minutes,1,a,1,A Bíblia Kingstone,1,Abaixo-assinado,1,abandona,1,Abílio Santana,1,Abin,2,abortistas,1,aborto,27,abortos,1,abrigo para dependentes químicos,1,Absolvida,1,abusador,1,abusar dos membros,1,abuso infantil,3,abuso sexual,20,abusos sex