Notícias e informação para o povo de Deus, dicas, meditação, reflexão, palavra, devocional, música, conteúdo de qualidade!

Netanyahu proíbe visitas de judeus no Monte do Templo até o fim do Ramadã

O gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu anunciou que, devido à violência generalizada relacionada às tensões no Monte do Templo, ...

Netanyahu proíbe visitas de judeus no Monte do Templo até o fim do Ramadã

O gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu anunciou que, devido à violência generalizada relacionada às tensões no Monte do Templo, os visitantes judeus seriam impedidos de entrar no local sagrado até o final do Ramadã, após várias consultas de segurança sobre o assunto.

Embora a decisão de proibir visitantes judeus de entrar no Monte do Templo durante o Ramadã estivesse de acordo com a política israelense de longa data para minimizar as tensões durante as férias, havia especulações de que o novo governo linha-dura poderia mudar de rumo. O ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben Gvir estava pressionando para permitir que os judeus continuassem subindo ao Monte do Templo, especialmente no último dia da Páscoa.

De acordo com a declaração do gabinete de Netanyahu, a decisão de proibir visitantes judeus no Monte do Templo foi recomendada por unanimidade pelo ministro da Defesa, Yoav Gallant, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, Herzi Halevi, o chefe do Shin Bet, Ronen Bar, e o comissário de polícia, Kobi Shabtai, após uma consulta prévia.

Ausente desse grupo estava Ben Gvir, que criticou a decisão como um “erro grave que não trará a paz, mas corre o risco de agravar ainda mais a situação de segurança”.

Gvir argumentou que a ausência de visitantes judeus no local de conflito resultaria em menos policiais israelenses estacionados lá, “o que criará um terreno fértil para demonstrações massivas de incitação ao assassinato de judeus e até mesmo um cenário em que pedras serão atiradas contra fiéis judeus no Muro das Lamentações".

Após ter sido anunciando por Netanyahu que continuaria em seu cargo depois de ter sua saída anunciada no mês passado, Gallant confirmou que houve um acordo unânime entre os chefes de segurança em relação à decisão anunciada por meio de um comunicado emitido por seu próprio escritório.

O escritório de Netanyahu também informou que ele instruiu as agências de segurança a mobilizarem todas as forças necessárias para proteger o Muro das Lamentações, localizado abaixo do Monte do Templo, para que os cultos judaicos possam continuar sem interrupção.

A decisão anunciada na terça-feira (11) foi feita horas após o Hamas emitir um comunicado pedindo aos palestinos que se reunissem em massa no complexo da Mesquita Al-Aqsa no topo do monte durante os últimos dez dias do Ramadã e não deixassem o local.

O Hamas também alertou Israel contra permitir visitas judaicas contínuas ao local, como tem sido o caso durante a maior parte do Ramadã.

É importante destacar que o Monte do Templo é conhecido pelos muçulmanos como Haram al-Sharif ou Santuário Nobre e é considerado o local mais sagrado para os judeus e o terceiro santuário mais sagrado do Islã.

Rabinos

É importante notar que a maioria dos rabinos ortodoxos proíbe os judeus de visitar o Monte do Templo devido à sua natureza sagrada como o local dos dois templos bíblicos. No entanto, nos últimos anos, houve uma mudança nas opiniões religiosas sobre o assunto, resultando em um número recorde de peregrinos judeus, em grande parte nacionais, subindo ao local. O Monte do Templo é governado por um status quo segundo o qual os muçulmanos podem orar, enquanto os não muçulmanos podem apenas visitar.

No entanto, nem todos os líderes religiosos mudaram de posição em relação às visitas judaicas, como evidenciado pelo rabino-chefe sefardita Yitzhak Yossef, que apoiou a decisão de terça-feira. Em comunicado divulgado por seu escritório, ele disse: “Além da severa proibição religiosa (dos judeus entrarem no Monte do Templo), temos que agir para evitar agitações e provocações desnecessárias. O Rabinato Chefe determinou por gerações que, de acordo com a lei judaica, a ascensão dos judeus ao Monte do Templo é completamente proibida”, dizia um comunicado de seu escritório.

O aumento de visitantes judeus intensificou reivindicações de longa data por palestinos e países árabes de que Israel está violando o status quo do Monte do Templo, mas Israel nega essas acusações. Além disso, houve uma mudança silenciosa na política policial para permitir orações judaicas silenciosas no local, o que foi bem documentado ao longo dos anos.

A Jordânia condenou a decisão de Israel de permitir que os judeus subissem ao Monte do Templo e afirmou que o país seria responsável por qualquer escalada decorrente disso. Enquanto a polícia israelense se preparava para possíveis confrontos com os fiéis muçulmanos na Mesquita Al-Aqsa no início daquele dia, as autoridades decidiram não invadir o local após receber informações de que não havia armas sendo estocadas pelos palestinos dentro da mesquita.

Segundo eles, isso não aconteceu na semana anterior, quando centenas de palestinos se barricaram com artefatos explosivos, pedras e fogos de artifício para atacar oficiais e civis israelenses. A polícia afirmou que não teve outra opção senão entrar na mesquita durante a noite de terça para quarta-feira, o que resultou em confrontos intensos com os palestinos que estavam lá dentro.

Apesar de a polícia ter conseguido controlar os manifestantes, várias pessoas dentro da mesquita filmaram policiais agredindo e prendendo palestinos de forma brutal, o que viralizou nas redes sociais e gerou grande comoção mundial. Como resposta, terroristas do Hamas lançaram várias salvas de foguetes contra Israel, vindos do Líbano e da Faixa de Gaza, resultando em ataques aéreos de retaliação por parte de Israel.

Apesar de ter justificado o envio das forças à mesquita na semana passada, Shabtai pareceu admitir no início desta semana que os policiais usaram força excessiva, enquanto outro alto funcionário reconheceu que as imagens causaram "danos terríveis" ao país.

Segundo o Times of Israel, cerca de 350 palestinos foram presos no confronto de Al-Aqsa na semana passada, com a grande maioria libertada horas depois. No entanto, 17 deles que entraram ilegalmente em Israel pela Cisjordânia foram acusados ​​na terça-feira por sua participação no motim, e outros 15 serão indiciados nos próximos dias.

Fonte: Guiame com informações de Times of Israel

COMMENTS

Nome

'Momo',1,“Aguardo o Dia”,1,“Casa na Rocha”,1,“Em Casa”,1,"Eu quero ir",1,“Mais Alto”,1,“Quem é esse?”,1,“Quero Te Adorar”,1,“We magnify his name”,1,10 Mandamentos,1,19ª edição do Grammy Latino,3,2018,2,2019,5,22 anos,1,3 Palavrinhas,1,360 Wayup,1,6 milhões,1,60 Minutes,1,a,1,A Bíblia Kingstone,1,Abaixo-assinado,1,abandona,1,Abílio Santana,1,Abin,2,abortistas,1,aborto,27,abortos,1,abrigo para dependentes químicos,1,Absolvida,1,abusador,1,abusar dos membros,1,abuso infantil,3,abuso sexual,20,abusos sexuais,3,Academia,1,Acadêmicos do Sossego,1,acampamento evangélico,1,ação judicial,1,Ação popular,1,Ação social,2,aceitaram a Jesus,1,Acertou Mizerávi,1,Achado Arqueológico,1,ACI Digital,1,acidente,2,acidente de trânsito,1,Acioli,1,acordo de paz,1,Acre,2,acusação,1,ad belenzinho,1,ADAI Music,1,Adão e Eva,1,Adaulto Lourenço,1,Adauto Lourenço,1,Adilson Gigante,1,ADO 26,1,adolescente,1,adolescentes,1,Adolf Hitler,1,Adolf Hittler,1,adventistas do Sétimo Dia,1,advogados,1,Afeganistão,2,Africa,2,África,6,Africa do Sul,1,Agenda Lgbt,1,Airbnb,1,Al-haram Al-sharif,1,Al-qaeda,1,Al-Rashid,1,Aladdin,1,Alagoas,2,Alan Rick,1,Albert Einstein,1,Alcoolismo,1,aldeia Kamayurá,1,Alemanha,3,Alerta aos pais,1,alertam,1,Alex Passos,1,Alexandra Abrantes,1,alexandre frota,1,Alexandre Isquierdo,1,Aline Barros,4,Alison Redmond-Bate,1,alma,1,Alphaville,1,altares,1,altera,1,Amazon,1,ambulância,1,América,1,América Latina,1,Amor,2,Amor de Deus,1,Amor e Sexo,4,amor incondicional,1,Ana Paula,1,Ana Paula Valadão,4,Anápolis,1,Anayle Sullivan,1,Anderson Freire,4,André Aquino,1,André Balada,1,Andre Fernandes,1,André Valad